sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

POEIRA DE ESTRELAS

A primeira poeira do ano cai do filme FÉRIAS EM ROMA.
1953

REALIZAÇÃO e PRODUÇÃO - William Wyler
Com:
Audrey Hepburn, Gregory Peck, Eddie Albert.

3 ÓSCARES:
MELHOR ACTRIZ - Audrey Hepburn
MELHORES FIGURINOS (PRETO E BRANCO)- Edith Head
MELHOR ARGUMENTO ORIGINAL - Ian McLellan Hunter e Dalton Trumbo.
Na verdade, o autor do argumento (Trumbo), que figurava na lista negra de Hollywood, teve de arranjar um "testa de ferro" que assinasse o guião, tendo sido Hunter a arrecadar o prémio.
Apenas em 2003, quando o filme foi digitalizado e passado para formato DVD, o nome de Dalton Trumbo foi acrescentado á lista de "créditos".

Audrey Hepburn foi a grande revelação do ano.
Além do Óscar, ganhou ainda o prémio BAFTA para melhor actriz inglesa, o GLOBO de OURO para melhor actriz e o Prémio do NEW YORK CRITICS CIRCLE também para a melhor actriz.

Audrey foi sempre e até ao fim da sua vida, uma mulher de excepção.

BOM FIM de SEMANA.

***************************************

10 comentários:

correio-mór disse...

Ela personificava a graça, a pureza, a ingenuidade, a candura,a eterna adolescência da mulher-criança.
Gregory Peck tinha uma classe natural a fazer lembrar Gary Cooper, mas mais bonito e distinto.
Já não há disto...

Revi ontem o filme, sempre com imutável prazer.

Maria disse...

A Audrey Hepburn era linda!
E os actores de outros tempos tinham um "charme" especial que não vejo nos mais novos... será porque eu estou a ficar velhota...
Boa "lembradura".
As tuas melhoras, Ana

Beijinhos

Delfim Peixoto disse...

Bons velhos tempos... havia musas mulheres, e ideais a seguir...
Bj e Bom 2009

Ana disse...

Correio-mor:
Audrey Hepburn está aqui muito bem caracterizada por si.
E o Gregory Peck, veja lá, era o actor preferido da minha mãe que, como eu, gostava muito de cinema.
Foi uma era que passou, restam as memórias, agora digitalizadas...

Abraço

Ana disse...

Maria:
Pois era.
E foi sempre uma das minhas actrizes favoritas.
Eu acredito que o passar dos anos romantiza certas figuras que admirávamos.
O que é bom.
Adoro um cheirinho de nostalgia...

Obrigada, Maria.
Isto vai passando a pouco e pouco.

Beijinho

Ana disse...

Delfim Peixoto:
Havia valores que os nossos pais passavam para nós e que faziam todo o sentido.
Não se vinha para a praça pública contar a vida íntima nem se fazia alarde, em frente dum microfone, de que se era um marginal...
Os filmes não precisavam de grandes efeitos especiais para conquistar espectadores.
E os sentimentos valorizavam-se mais do que os instintos...
Hoje é tudo exactamente ao contrário.
É o mundo que temos.

Obrigada por ter comentado.

Abraço

Ze_Cuscopos disse...

Cara vizinha Ana,

O bom gosto continua!

E um FELIZ 2009 para Si, os Seus e todos os que por aqui vão passando.

À Vossa!!!

Hic Hic Hurra

Ana disse...

Zé_Cuscopos:
Agradeço e retribuo em dobro.
Espero continuar a vê-lo por aqui durante este novo ano, mesmo que o seu equilíbrio continue periclitante...

À sua!

Cris Caetano disse...

Já disseste... ela foi uma mulher de exceção... e linda, e chique desde muito nova, elegantérrima... mas fico pensando que tenho de rever esses filmes todos, assisti-os quando pequena na chamada ¨Sessão da Tarde¨ que passava na TV... bons tempos...
Beijinhos

P.S.: estou feliz porque ganhei um comput novo que é rápido, mas ando às voltas com um teclado que tem as teclas diferentes do meu que era lusitano... sim, acredite, sei lá porquê as teclas estão em lugares diferentes hehe

Ana disse...

Cris:
Num instantinho vais habituar-te ao novo teclado.
Felizmente temos uma grande capacidade de nos adaptarmos a situações novas.
Digo eu que tenho um portátil e só gosto de trabalhar com o velhinho:))))

A Audrey sempre teve um chic muito dela...

Beijinho