sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

POEIRA DE ESTRELAS

LES UNS ET LES AUTRES (1981)
REALIZAÇÃO, PRODUÇÃO e ARGUMENTO - Claude Lelouch

ELENCO:
Robert Hossein, Geraldine Chaplin, James Caan, Nicole Garcia, Fanny Ardant, Jacques Villeret, Richard Bohringer, Jean Claude Brialy, Raymond Pellegrin e Sharon Stone.

MÚSICA - Michel Legrand, Francis Lai, Pierre Barouh, Jean Yanne e Marc de Loutchek.
Sem contar com... Maurice Ravel, é claro.

Claude Lelouch contou sempre com alguns detractores, entre as elites bem pensantes.
Eu, que nelas não me incluo, sempre gostei muito do seu cinema.

BOM FIM DE SEMANA

16 comentários:

salvoconduto disse...

Sem dúvida, para mim, a melhor obra de Claude Lelouch e este sim reconhecido internacionalmente, sem esquecer Les Misérables.

Maria disse...

Ó Ana, este filme é, APENAS, um dos filmes da minha vida...
De cada vez que o vejo descubro mais um pormenor (ou pormaior) e, na época, pus o pessoal daqui todo a dançar o bolero de Ravel... até num casamento o fizemos...
Enfim, tempos que já não voltam.

Obrigada.

Beijinhos

reggiani disse...

Gosto muito de Lelouch.
"Um homem e uma mulher" é um filme que marca uma época e revela outra forma de filmar e de construir um enredo.
Cada um dos seus filmes tem um toque de originalidade, um carimbo Lelouch.
Há um que já vi vezes sem conta e não me canso. É "La Bonne Année", com a bela Françoise Fabian e um soberbo Lino Ventura. A história é fabulosa, apaixonante.
Aconselho vivamente.
Este "Les Uns et les Autres" é um monumento.
Naquele tempo havia cinema, hoje (quase) só há violência e efeitos especiais.
Com Lelouch, o cinema era a vida, a vida dos sentimentos, dos afectos, sempre com um perfume de mistério, de surpresa, talvez porque "L'Aventure c'est l'Aventure"...

Ana disse...

Salvo:
Não vi Les Misérables na versão Lelouch.
Vamos a ver se ainda irei a tempo.

Abraço

Ana disse...

Maria.
Tempos que já não voltam e que parece terem sido ontem...
"Só" se passaram 28 anos. Pouca coisa, afinal:))))

Beijinho

Ana disse...

Monsieur Reggiani:
Uma destas Sextas-feiras ainda ponho aqui um clip de "Un Homme et une Femme" apenas pela música.
As imagens pouco dizem.

"La Bonne Année" é outra das minhas falhas. Nunca o vi.
Já o "l'Aventure..." fez-me rir inúmeras vezes.

Não é que isto aqui seja pròpriamente o "cantinho da saudade" mas sempre achei muito saudável um piquinho de nostalgia.
Mau sinal é quando não guardamos recordações agradáveis do que ficou lá para trás...

Abraço

piloto automático disse...

Nada tem a ver com fitas, foi antes uma cena de um realismo angustiante.
Refiro-me ao incidente com o avião que, segundo todos dizem, AMAROU em Nova Iorque.
Ora, minha cara Ana, o avião não amarou, apenas ARRIOU, já que tudo ocorreu no rio Hudson.
Aproveito o espaço que nos concede neste seu blogue para deixar esta precisão que encerra uma máxima universal e que pode ser traduzida desta forma: quando a coisa está feia, o melhor é arriar.
Beijo-lhe as mãos, já que os pés escondem pedras...

Cris Caetano disse...

Engraçado, acho que vi mas não me lembro bem, a minha boa memória é para filmes dele anteriores a esse e já disseram: Les Misérables e Un Homme et Une Femme... Freud explica. E adoro o bolero de Ravel.

Beijinhos e bom fim de semana

Ze_Cuscopos disse...

Cara vizinha Ana,

Mais uma excelente poeira levantada pelos sapatos que passam pelas pedras à mesma velocidade que o tempo leva a percorrer-nos a vida.

O Bolero de Ravel é, do ponto de vista estritamente musical, algo de fabuloso, e o filme é fantástico.

À Sua!!!

Hic Hic Hurra

Ana disse...

Caro Piloto Automático:
Nem todos empregaram a palavra AMARAR.
Garanto que, numa das nossas estações de TV (quase arriscaria a TVI, mas não estou certa), apareceu em rodapé, durante largos minutos a frase "o piloto conseguíu AMARRAR"...
Com dois erres, sim senhor.
Maravilhoso!- foi o que me ocorreu.

De facto, entre uma coisa e outra, venha o ARRIAR.
Também poderia aplicar-se o ALAGAR, caso o acidente tivesse ocorrido em terras algarvias, ou APORTAR, se fosse no PORTO.
Felizmente foi nos States e houve logo meios ao dispôr. Assim, safaram-se todos.
Se fosse cá, ainda a estas horas estariam a ser feitos telefonemas entre as várias autoridades para saber a quem competia dar o primeiro passo.
Lá está, à desculpa da Protecção Civil - "Agora não posso"- seguir-se-ia a resposta da Torre de Controlo":
-"Se não podes, arreia".
E lá tinham ido os passageiros desta para melhor.
Melhor, segundo algumas opiniões muito discutíveis.

Abraço

Ana disse...

Cris:
Olha que este, eu garanto que irias gostar.
Um dia me dirás...

Beijinho e bom Domingo

Ana disse...

Caro Zé:
O Bolero é excelente para ir saboreando uns copitos, não é verdade?
E vai um. E outro. Beberricando lentamente.
Ao ouvir a última nota, já não há uma gota na garrafa...

À sua!

Duarte disse...

Não o vi.
Bom fim de semana.

Abraços

Ana disse...

Duarte:
Desejo-te um excelente Domingo.

Abraço

poetaeusou . . . disse...

*
Lelouch,
Sharon Stone e Maurice Ravel,
Fantásticos . . .
,
nunca gostei da Geraldine,
porque na generalidade os filhos de
pais famosos, nunca se destacam,
como provam o joão soares, o bush
e o emplastro, filho do pinto da costa,
hehehe
,
conchinhas chuvosas,
,
*

Ana disse...

Poeta:
Tens razão. Faltou-te o João Loureiro, hehehe...
Mas a do Emplastro valeu por todas:))))))

Abraço

PS- Há uma excepção: a Sandra Felgueiras não é nada inferior, em inteligência, á sua venerada mãe.