segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

PORTUGAL, PAÍS BONDOSO

Ainda o tão amado Obama está para tomar posse e já nosso ministro Amado se chegou à frente, oferecendo um simpático asilo a 6 detidos em Guantânamo.
Todos ilibados, garante a minha amiga Ana Gomes.
Clive Smith, director da REPRIVE (organização internacional de direitos humanos) engoliu imediatamente meia dúzia de epítetos que já tinha na ponta da língua, prontos para invectivar Portugal, à conta dos voos da CIA e escancarou-se num sorriso eufórico:
-"PODE SER JÁ AMANHÃ! É TREMENDO (a palavra é do Expresso) O QUE O VOSSO PAÍS ESTÁ A FAZER!"
Por coincidência, eu também empregaria a mesma palavra, embora o sentido fosse outro.
Adiante.

Enquanto os restantes diplomatas europeus se mostram cautelosos, evitando pronunciar-se até à passagem de testemunho nos States, o Dr. Amado encontra-se debruçado sobre a melhor forma de integrar os 6 felizardos.
Uma das soluções seria eliminar toda a burocracia que envolve os processos de adopção, a fim de que alguns casais sem filhos pudessem vir a acabar de criar um mocetão paquistanês, iraquiano ou afegão.
-"UM PEQUENO DESTES - terá dito o ministro - SUBSTITUI UM BEBÉ, COM TODA A VANTAGEM.
POUPA-SE NAS FRALDAS, NAS VACINAS, NO PEDIATRA, NOS BRINQUEDOS."
Entretanto, na hipótese remota de ficarem três ou quatro sem pais dispostos a aturá-los, propõe-se fazer umas rifas dos que sobrarem.
.
Não pretendendo adoptar, para não ficar com o estatuto de mãe relativamente aos rapazes, Ana Gomes (segundo fonte geralmente fidedigna) andará já a afiar o dente para comprar o maior número de rifas que o seu modesto vencimento lhe permitir.

-"PELO MENOS DOIS TÊM DE SER PARA MIM!"- terá desabafado com a sua porteira, ontem à tarde, quando foi pôr o lixo à porta.

**************************************

16 comentários:

Maria disse...

Um post meio sério meio a brincar. Acho eu, porque tu às vezes desconcertas-me...
Por mim não quero nenhum, já tenho por aqui que chegue. Até demais...
Às tantas um dia destes ainda vão ser guarda-costas do sócrates, como isto anda não me espanta...
:))

Beijinho, Ana

Ana disse...

Maria:
Achaste muito bem.
Devo dizer que sempre me alegra muito conseguir desconcertar alguém.

Ainda pensei comprar uma rifa ou duas, na esperança de poder contar com alguém que impusesse respeito a um pingente insuportável de 4 anos que mora no andar ao lado do meu e, às vezes, me leva ao desespero.
Mas com o azar que tenho ao jogo não vale a pena:)))

Beijnho

A. João Soares disse...

Cada País tem os governantes que merece. Os de Portugal, com os seus brandos costumes, e incapacidade de seguirem uma rota bem definida, navegam à visa ta cosa, sujeitos aos naufrágios em recifes e escolhos.
Depois de abraços e beijinhos aos Líbios e Venezuelanos, além de muitos outros mais ou menos hostis aos americanos, estão a decidir, dar agora uma na ferradura, para seguirem o estafado lema dos indecisos «estar bem com Deua e com o Diabo».
Maus timoneiros, governantes indecisos, hábeis em andar à roda à procura da saída do labirinto. E o tempo passa, perdem-se recursos, desmerecem-se apoios e acabaremos a mendigar esmolas aqui e acolá.
Não estamos a preparar um futuro digno para os vindouros.
Beijos
João

poetaeusou . . . disse...

*
oh meu País dos impulsos,
da tmn á vodofone,
do durão ao bom amado,
do quééé fuô impulsionador,
da ana gomes in-diplomata, em
que o fero indonésio optou pela
independência por não poder aturá-la,
oh céu anil de Portugal,
cia, cia, gaivota, incuba, incuba,
e a cicuta, bom deus, a cicuta . . .
,
conchinhas nazarenas
,

Ana disse...

João:
Imainar o futuro dos que cá deixo sempre me causa alguma angústia.
Vejo que cada vez mais se pensa apenas no presente, nas variadas formas de "desenrascar" o dia a dia, e quem vier atrás que feche a porta.
Esta pressa do governo português em "ser o primeiro a ajudar a solucionar" o problema de Guantánamo, parece-me quase uma garotice.
Verdade seja que não conhecemos as contrapartidas.
Alguma coisa me diz, entretanto, que não devem ser famosa,, como já vem sendo hábito.
Será mais a nossa velha pecha de ir dobrando a espinha, acrescida da característica que o João aponta, de dar uma no cravo e outra na ferradura.
Atitude muito comum nos cobardes, diga-se de passagem.

Abraço

Ana disse...

Poeta:
Este teu comentário está de 5 estrelas:)

"E a cicuta, bom Deus, a cicuta"...

Pois.

Abraço alfacinha.

valentino loireiro disse...

Os americanos continuam a enviar-nos paletes de açorianos mal comportados. Agora vem a colónia balnear de Guantânamo brincar com pá e balde nas areias cálidas deste Portugal gentil e por todos Amado.
Vêm todos de bibe e de mão dada a cantar "Guantanamera, guajira guantanamera".
A tia Ana (que não tem pedras nos sapatos) lambe os beiços e requisita dois mancebos para consumo doméstico. É Natal ninguém leva a mal.
O Dias Loureiro já abriu contas no BPN para os meninos, ficando o capital a render até à 3ª idade dos piquenos num "ofexore" das ilhas Caimones.
O embaixador Jorge Ritto faz questão de dar abrigo a meia dúzia de mocetões que gostem de azeitonas de Elvas.
Enfim, a lista de voluntários para receber os pobrezinhos é vasta e prova que o gesto do bem-Amado não foi estulto.
Por uma vez que nos adiantamos ao resto do Mundo, logo vêm estas aves de rapina debicar o homem.
Meu fado, meu fado, meu fado, como diz a Mariza...

Pedro disse...

Ana

Deixa vir os coitados aqui para o Parque de Diversões. Isto, para quem nas condições deles, até nem é nada mau. Irão viver tal qual muitos autóctones, ou seja à conta do Estado, logo sua adaptação será não muito difícil. Irão é estranhar que, ao contrário dos países donde provêm, aqui quase ninguém vá preso, a menos que seja inocente. Mas mesmo nisso, pelo visto, segundo a "tua amiga", não irão encontrar diferenças, pois eles coitados não estavam inocentemente presos?... Ou andamos a brincar com isto?

Luis Eme disse...

a tua ironia, Ana, é desconcertante como a Maria diz, mas não deixa de nos fazer sorrir...

abraço

Cris Caetano disse...

Pois.. Portugal, uma filial dos States, muito fino...

Beijinhos

P.S.: não deixei de reparar no pingente de 4... em cima de mim há um cavalo, ou melhor, uma "égua" de 3, que trota das 5 da tarde até às 10 da noite... e é magrinha, imagina se não fosse. Mas não troco, o teu pode ser pior.

Ana disse...

Valentino Loireiro:
Os embaixadores, sempre com a mania das grandezas...
A tia Ana (a outra) que nem sonhe ou, com aquele caparro e o seu mau feitio, ainda acaba por deixar o pobrezinho do Ritto num oito.
Nem chega ao final do julgamento.

O Valentino não será, por acaso parente do Dias Loireiro?
Para estar assim a par das contas "ofexore" e tal...

Parece que afinal o nosso Amado ministro já não tem com que se preocupar.
Pode mesmo ir pensando em mandar vir mais uns tantos, que a integração estará garantida.
Praise the Lord!
Ou antes:
Insha'Allah!

Abraço

Ana disse...

Pedro:
Já me convenceram.
O ministro é que está certo e vai ter em cada português um aliado.
Tirando, talvez, o José Pinto-Coelho.
Mas, já se sabe, nunca se pode agradar a todos!

Abraço

Ana disse...

Luís:
Desconcertei-te?
Que não seja a última vez...
Já devias saber do que a casa gasta:)

Abraço

Ana disse...

Cris:
É muito à frente, como diz agora a garotada...

Quanto à vizinhança cá do prédio, não seria tão má se o dito pingente ( que por acaso é uma "pingenta") não tivesse o mau hábito de vir fazer as birras para o patamar, bem juntinho à minha porta.
Deus me defendesse se ela morasse no andar de cima!
Tampôes para os ouvidos, minha cara.
É a solução.

Beijinho

Duarte disse...

Vir até aqui é sentir-se informado. Obrigado.

:)))

Beijos com afecto

Ana disse...

Duarte:
Desde que não me leves muito a sério...
Que eu não sou de confiança:))

Abraço