segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

NABEIRO, NABEIRO...

O país precisa de empresários com iniciativa, como de pão para a boca.
E eu aprecio imenso uma boa surpresa, embora hoje em dia já sinta tendência para encarar a maior barbaridade como uma coisa natural.
Se há gelados com sabor a sardinha, leites com aroma de laranja, patés de coisa nenhuma sabendo a gambas, queijos com gosto de presunto e águas com os mais diversos paladares, a bela azeitona a saber a café sentir-se-á agradavelmente acompanhada nas prateleiras dos supermercados.
O diabo pode ser a nossa vigilante e sempre amiga ASAE.
E se o produto, como receia o responsável técnico do laboratório, perde as propriedades e o aroma antes de expirar o seu período de validade e fica a saber apenas a azeitona?
Era o que se poderia chamar uma fertilização in vitro muito mal sucedida.
Embora a azeitona, neste caso, estivesse livre de vir a sentir dúvidas "de género", if you know what I mean.

O produto apresenta-se como "INOVADOR, COM CARACTERÍSTICAS ORGANOLÉPTICAS QUE IRÃO SURPREENDER OS APRECIADORES DE AZEITONAS E DE CAFÉ".
As tais características (diz o dicionário que são propriedades com que os corpos impressionam os sentidos) parecem-me bem.
Só à conta delas se poderia escrever um post inteirinho mas não temos tempo.
Preparemo-nos então para, no final de cada refeição no restaurante, passarmos a ouvir o empregado perguntar:
-"E AGORA É CAFÈZINHO OU AZEITONA?"

Nabeiro, Nabeiro, põe-te a pau.

*****************************************

12 comentários:

Maria disse...

Costumo dizer às crianças traquinas "tu és um caso muito sério".
Digo-o agora, não pela traquinice, mas pelo "olho" que tens para ires buscar o que passou quase despercebido nas notícias - a menina que falou sobre o assunto também não ajudaria... :)))
Eu também registei, mas não fiquei nem um bocadinho curiosa. Só espero que nunca me façam, no final de uma refeição, a pergunta que sugeres....

Beijinho, Ana

salvoconduto disse...

Pode ser que o Nabeiro se lembre de fazer um café com sabor a azeitona e ponha o George Clooney a fazer a promoção, what else...

Ana disse...

Maria:
Curosidade é coisa que tenho para dar e vender:))))
Feitios! Lá dizia o outro.
Mas tens de me prometer uma coisa:
Se realmente te fizerem a pergunta, daqui a uns meses, um ano, AVISA-ME, sim?
Para eu limpar a bola de cristal que está cheia de teias de aranha e abrir finalmente o "consultório".

beijinho

Ana disse...

Salvo:
Parece-me que tens verdadeiro olho para o negócio:)
A ideia do George Clooney a promover a azeitona coffee flavoured parece-me genial.
What else, indeed?!
Qual Nespresso, qual nada:))))

Abraço

poetaeusou . . . disse...

*
não será,
café com sabor,
a serradura e chicória ?
,
srsrsrsr
,
conchinhas
com sabor a chicharro,
,
*

Ana disse...

Poeta:
Se queres saber, esse sabor já está mais que divulgado...
Agora quanto ao de chicharro acho que é mais uma "janela de oportunidade" para novos criadores.
Se me deres uma boa comissão, ponho-te em contacto com os donos deste projecto.
Pensa bem.

Abraço (sem cheiro a chicharro)

leitor de sinas disse...

O que gostaria de encontrar era uma bomba (spray?) para perfumar(?) ambientes com um saboroso cheirinho a café.
Será que existe?
De resto, a arte da Ana traduz-se na captação de notícias interessantes a que dá, depois, o tratamento adequado.
E isso não se aprende. Nem se ensina.
Resta-nos agradecer-lhe e dar-lhe o magro troco que está ao nosso alcance. What hélice poderíamos fazer?

Ana disse...

Leitor de Sinas:
Esse apreço pelo agradável cheirinho a café fez-me recordar os tempos em que muita gente ia à Casa Pereira comprar o seu pacote de café, mistura feita e moída na altura e depois ia deixando um rasto de delicioso aroma à sua passagem.
Eu, que não bebo café, perco-me por esse odor aromático.

Quanto à minha suposta arte (e manha), eu digo-lhe what hélice poderia fazer.
Era pensar em reabrir a estação, indo ao encontro de quem lhe tem pedido para o fazer.
Mas isso é lá vida, ficar-se por comentários em blogues alheios, senhor?
Ano Novo, nova distribuição!
É pôr a farda a arejar, que isso de ler a sina dá magra recompensa.
O mercado já está totalmente preenchido com os professores Karambas, Alajes e companhia.
Vou ficar à espera...

Abraço

Luis Eme disse...

o senhor só é Nabeiro de nome...

abraço e um excelente 2009, Ana.

Ana disse...

Luís:
Também me parece.
Quando Deus quer, ainda é ele que está por trás a financiar os outros...

Obrigada pelos votos que retribuo com um grande abraço.

Ricardo Galvão de Mello disse...

olá Ana, nao pude deixar de ficar incrédulo com este teu post.
Eu sou Engenheiro Alimentar, alem de estar num painel de provas quer de estimulantes( incluindo café) azeitonas e azeite, estou também dentro das processos tecnologicos d produção de todos estes produtos.

já me pus a pensar como tal seria possivel, mas de facto essa tarefa vai ser bem mais dificil do que as pessoas pensam, alem de serem produtos totalmente diferentes, impregenar um com aromas e odores a outros pode dar dois resultados, ou a azeitona, deixa de saber a azeitona e sabe a café, ou uma mistura horripilante de sabores e odores estranhos dentro daquele maravilhosa drupa... as caracteristicas organolepticas e fisiologicas do café sao intrínsecas, e para que estas sejam expostas precisam de torra, os compostos resultantes sao compostos "degradados" dos que inicialmente presentes, algo semelhante entre o acucar e o caramelo, onde este tem de ser sobre-aquecido... O salvoconduto tem maior perspicácia, seria mais facil fazer cafe com aroma a azeitona, devido aos processos tecnologicos involvidos... enfim, isto se andar para a frente espero que de certo.

os meus cumprimentos e fico a espera de uma pequena visita.

Ricardo Mello

Ana disse...

Ricardo:
Quem, senão um engenheiro alimentar para nos esclarecer sobre os mistérios laboratoriais por trás de tanto produto novo?
Nós, leigos na matéria, "engolimos" o que a imprensa entender dar-nos...

Obrigada pelo comentário e fica a visita prometida para um dos próximos dias.

Abraço