quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

HÁ OVOS E OVOS

Haverá no mundo outro país que consiga bater a China no que toca à contrafacção?
Ainda por cima, a receita para fabricar ovos falsos existe em vários sites chineses da Internet, tal como aí proliferam empresas que oferecem aulas práticas sobre os segredos da manipulação dos materiais.
Diz o Professor Fung Ying-sing (santinho!) que o alumínio contido na "Alumina" pode ser bastante nocivo, causando problemas mentais.

O que nos ocorre em primeiro lugar é que na China as galinhas devem fazer-se pagar muitíssimo bem, além de terem horário de trabalho, um ou dois meses de subsídio de férias, direito à greve, licença de maternidade e por aí adiante.
Já que não é natural que só por se agacharem e largarem um ovo, este saia muito mais caro do que outro fabricado em laboratório.
Depois o pensamento voa até à nossa querida ASAE para imaginar como se sentiria feliz num país daqueles, caso lhe fosse permitido agir como o faz por cá.
É óbvio que também nos sentiremos bastante angústiados se pusermos em causa a qualidade dos ovos que ensoparam recentemente os cabelos duma das nossas ministras.
A seguir surge uma certa curiosidade mórbida por saber se alguns políticos não terão andado a ingerir alimentos de proveniência duvidosa.
Será que a enorme tortilha que o Louçã aviou sòzinho no dia do congresso foi a culpada pela tirada dos coelhos?
E aquelas gemadas que os deputados pedem no bar do hemiciclo, para aclarar a voz?

Nem me atrevo a ir mais longe, que com alumínio não se brinca.
Que o diga Carlos Borrego quando, em 2003, se lembrou de contar uma anedota infeliz.

**********************************

16 comentários:

salvoconduto disse...

Palavra que sei aonde lhes metia o ovo...

Cris Caetano disse...

Eu tenho pena dos chineses. Primeiro foi o leite adulterado e agora ovos falsos; esse boom de crescimento é à custa de trabalhadores quase escravos... enfim.

Beijinhos

li xó zé disse...

Estes chineses são uns perfeitos ilusionistas, reis da contrafacção e da multiplicação maciça.
Há mesmo quem sugira que os verdadeiros chineses são escassos milhões, sendo o grosso da prole constituído por contrafacções.
Grosso também estava o ministro japonês que se demitiu.
Não acham que o Manel Pinho, por vezes, muitas vezes, fala como o ministro nipónico?
Será mimetismo ou contrafacção? Tinto ou branco?

Marta disse...

já reparei, Ana, que a memória é algo que tratas muito bem.
afinal, devia ser elevada a património mundial.
bem hajas!
bjo

carlos castrinho disse...

A Ana poderia ser antes matrimónio mundial, mas essas distinções estão muito banalizadas neste mundo de vaidades idiotas com concursos e eleições por tudo e por nada, só para ocupar espaço mediático e fazer cócegas nos egos mais ou menos "cêntricos".
A Ana merece melhor...

Ana disse...

Salvo:
Posso fazer uma pequena ideia.
Provavelmente alguns até ficariam agradecidos...

Abraço

Ana disse...

Cris:
Os consumidores, seja na China ou noutro qualquer país, é que se danam com as mixórdias feitas por quem quer ser rico em pouco tempo.

Até as rações para animais levam "componentes" inacreditáveis.
E "inacreditáveis" é uma palavra comedida...

Beijinho

Ana disse...

Li xó Zé:
Tem graça que tinha a impressão de que SUGIRA era nome japonês.
Ou seria SUJIRA?
Continuo a trocar os Jotas pelos Gês.

Tadinho do ministro japonês.
Lembrou-me logo o nosso Zé e senti-me imediatamente solidária.

Num estado semelhante se apresentou o nosso Mário Lino, depois dum almoço bem regado na Ordem dos Economistas, quando declarou que na margem Sul, jamais.
A tal dupla Lino e Pinho (tão elogiada por Chávez) é amiga da pinguinha, ninguém tenha dúvidas.

Se agum deles é contrafacção, saíu produto muito tosco, a pedir urgente reciclagem.

Abraço

Ana disse...

Marta:
A memória costuma ser curta na generalidade das pessoas.
A minha, infelizmente, é um bocado como a dos elefantes.
E digo infelizmente porque seria muito mais feliz se esquecesse com facilidade...

Beijinho

Ana disse...

Carlos Castrinho:
Tem dias em que o meu ego se põe cêntrico.
Será mau sinal?

Não tive o gosto de o ver no Prós e Contras. Falha minha que quando zappei para a RTP já o programa ia na segunda parte.
A ver se apanho a repetição no RTPN e o vejo na plateia.


Abraço

Luis Eme disse...

ao que isto chegou, Ana...

vai deixar-se de discutir a questão de nasceu primeiro, se o ovo ou a galinha.

os chineses dão cabo de tudo, até das discussões infinitas...

abraço

Ana disse...

Luis:
Um dia destes ainda se descobre que o problema é mais complexo e que também as galinhas são fabricadas em laboratório...
Se calhar é por isso que não põem e eles vêem-se obrigados a fazer os ovos.

Admirável mundo chinês!

Abraço

Duarte disse...

Quando a China acordar... cuidado! Tremerá o mundo.
Então, saiu um livro que versava sobre o que passaria no momento em que a China começasse a mover-se, aí a temos!

Beijinhos

Ana disse...

Duarte:
Tanto se falou no perigo amarelo...
E não me refiro à côr das gemas, claro.

Abraço

poetaeusou . . . disse...

*
aluminio ?
mas agora é tudo em Inox !!!
,
conchinhas,
,
*

Ana disse...

Poeta:
Pois.
No tempo do alumínio devias ser um teenager "inconciente".
Já eu...

Abraço