segunda-feira, 11 de outubro de 2010

NOVAS COBRANÇAS

Para fazer face à crise, o Dr. João Cordeiro que não é pessoa de ficar a ver passar os comboios, já começou outra vez a deitar as manguinhas de fora, a ver se pega.
E se calhar pega.
Assim, talvez não venha longe o dia em que, ao pedir um xarope para a tosse, o farmacêutico (ou auxiliar) nos exija a taxa por aconselhar aquele cujo laboratório lhe dá a percentagem mais compensadora.
O que não se percebe é como só agora se foram lembrar disto.

A seguir, é muito natural que outras iniciativas igualmente interessantes comecem a surgir noutras áreas.
Para que não me chamem retrógrada até vou deixar aqui algumas sugestões:
1 - Postos de combustíveis
Instalação de "mealheiros" junto das mangueiras. Estas só poderão ser levantadas após a introdução de moeda (s).
2 - Semáforos
Em todas as cidades do país, os semáforos funcionarão ligados à Via Verde. Como o dispositivo está em vias de se tornar obrigatório, a cada sinal verde passado corresponderá um débito para o automobilista.
3 - Carrinhos de supermercado
Deixarão de funcionar as fichas de plástico. Por sua vez, as moedas introduzidas na ranhura ficarão trancadas, impossibilitando a sua recuperação (ó o tio Belmiro a sorrir).
4 - Locais com máquinas de senhas numeradas
Seja no talho, na farmácia, no posto médico, nos correios, nas Finanças ou outros, introduz a moedinha, carrega no botão e só depois sai a senha.
5 - Marcação de consultas
O utente paga taxa de marcação, paga para tirar a senha antes da consulta e paga a consulta no fim.
6 - Indicações sobre roteiros
Os taxistas (tão solicitados a prestar esclarecimentos sobre este ou aquele local) poderão exigir uma taxa por cada informação.
Se depois se verificar que aquela foi incorrecta, paciência. Não serão certamente esses equívocos mais graves do que os que ouvimos da boca do Senhor Primeiro Ministro em período de campanha eleitoral (e não só).
7 - Cinemas
Os bilhetes de cinema deixarão de indicar o número da sala em que os filmes são exibidos. A respectiva informação caberá ao porteiro, mediante taxa estipulada. Para filmes de acção a taxa será superior.
Cada pacote de pipocas será também acrescido da taxa de tasquinhação. Maior o balde, mais alta a taxa.
8 - Correios
O correio deixa de ser distribuído a domicílio.
Para levantar a correspondência, lá estarão nos respectivos postos as simpáticas máquinas citadas no ponto 4.
9 - Telefones
Adeus campanhas de chamadas telefónicas gratuitas. Além de passarem a ser todas pagas (em telefones fixos ou móveis) serão acrescidas de uma taxa sobre poluição sonora.
10 - Televisores (função George Orwell)
Os comandos dos televisores passarão a ter o botão "MUTE" ligado, via satélite, a um posto que imprimirá automaticamente cada pressão numa nota de débito a ser enviada mensalmente à cobrança.
Assim, se não quiserem ser taxados, os telespectadores ou optam por colocar tampões nos ouvidos ou serão coagidos a ouvir a publicidade e, o que não é menos importante, as frequentes intervenções do Senhor Primeiro Ministro.
E quejandos.

Ah, não tem nada que agradecer, Senhor Engenheiro. Estamos cá é para o servir!

***
Nota breve: quanto ao último ponto, haverá quem se ache muito esperto, optando por fazer zapping em vez de premir o "MUTE".
Mas esses esperem-lhe pela pancada. As novas tecnologias não perdoam.

******************************************




10 comentários:

salvoconduto disse...

E aquela coisa em que a gente carrega no WC, ou será que a trampa não paga taxa? Vai lá vai...

Maria disse...

Tu és demais, Ana!
Já tinha saudades de te ler, assim.

Beijinho.

Luis Eme disse...

só espero que eles não venham aqui à procura de "ideias", Ana.

beijinho

Cris Caetano disse...

Li para mamãe e ela soltou um: "Como é que é?"
Não dá idéia, Ana... o Luis tem razão.

(gostei do "tio Belmiro", :) já que tive o hábito de chamá-lo assim (sem que ele soubesse, obviamente) por conta de um Gabinete em que trabalhei)

Beijinhos

Ana disse...

Salvo
Essa aí já tem uma taxa levada da breca. Ou tu não pagas imposto de saneamento?
Não quer dizer que não possa haver uma sobretaxa, mas a trampa produzida pelos políticos é tanta que eles não hão-de querer ir por aí...
Penso eu de que.

Beijinho

Ana disse...

Maria
É tudo a bem da Nação, ora!

Beijinho

Ana disse...

Luis
As ideias novas custam sempre muito a ser aceites...

Beijinho

Ana disse...

Cris
Como eu sou mal compreendida!
Qualquer dia ainda me chamam colaboracionista...

Beijinho

Duarte disse...

Que capacidade de imaginação! A isto é ao que chamo estar nos mínimos detalhes.
A vida tornar-se-ia sumamente ingrata.

Um grande abraço

Ana disse...

Duarte
Mesmo sem chegar a estes exageros, podes crer que a vida não irá ficar fácil.
E ainda a procissão vai no adro...

Beijinho