terça-feira, 2 de setembro de 2008

UM CASO SÉRIO

O EXPRESSO desta semana escolheu dedicar a sua coluna "NOTÍCIAS DO PAÍS REAL" a um interessante caso revelado pela LUSA em 28 do passado mês de Agosto.
Ora se o EXPRESSO é um jornal sério, este blog não o é menos.
Daí eu esperar não vir a encontrar aqui o mesmo tipo de comentários que tive a ocasião de ler no site da LUSA quando a notícia saíu.
Bom.
Postos os pontos nos Is, passemos ao assunto:
.
Para se ter uma noção do ponto a que isto chegou em termos de criminalidade, já as jovens se sentem TÃO inseguras que se vêem forçadas a fazer uso de toda a sua imaginação, quando se trata de saír à rua com dinheiro e (ou) jóias.
(ainda não indaguei se a minha mulher a dias segue o mesmo método quando vai para casa, no dia do pagamento).
.
Sobre isto, do senhor Ministro da ADMINISTRAÇÃO INTERNA nem uma palavra, havendo a sublinhar que o facto lhe diz directamente respeito em todos os sentidos (e não só).
.
A PSP, já se sabe, é por tradição de vistas curtas.
E nem sei se não haverá mesmo aqui resquícios de um insuportável e mal disfarçado sentimento machista e conservador.
Lá porque se trata de mulheres com imaginação que decidem usar o corpinho como muito bem entendem (neste caso, como cofre, mealheiro ou guarda-jóias), isso por acaso faz delas necessàriamente umas criminosas?
Não é o corpo propriedade sua?
Hã?
.
Estava mesmo a ver-se:
Não contentes em persegui-las cobardemente (elas eram apenas duas e polícias, nestas ocasiões, aparecem sempre aos montes, como bem sabemos), ainda tiveram o desplante de as obrigar a acompanhá-los, contra a sua vontade. Posso até apostar que a palavra "REVISTADAS" tem muito que se lhe diga (estava para empregar aqui a expressão "ÁGUA NO BICO", mas achei melhor não, para evitar o risco de ser mal interpretada. Sempre aparece quem tente distorcer as nossas palavras, que eu bem sei)
.
E aí temos um juíz reaccionário a enfileirar com os polícias, na intenção óbvia de prosseguir com a humilhação sistemática destas infelizes.
Tivesse sido uma JUÍZA e outro galo cantaria.
Por estas e outras é que o país não há maneira de evoluír.
Essa é a triste conclusão a tirar deste episódio.
.
.
.
NR: Antes que as insinuações comecem por aí a caír, declaro desde já por minha honra que este post não constitui qualquer plágio feito a partir de panfletos dos meus amigos BERLOQUISTAS.
Espero que me façam a justiça de acreditar.
.
.
***********************************

12 comentários:

Maria disse...

Vamos lá ver se consigo ser "politicamente" correcta.
A PSP "cheirou" alguma coisa nestas duas jovens? Ou seja, porque carga de água estas e não outras? Ou será que estavam "fichadas"? Ou as fotografias delas andavam penduradas nas paredes das esquadras à esperem de serem encontradas?
Que explicação deram as jovens para trazerem o que traziam e onde (!!!) traziam?
São só perguntas que deixo, porque não li nem o Expresso nem ouvi notícias... Este mês de Agosto foi só desporto aqui por casa... :)))

Já agora, a PSP não diz se as jóias e o dinheiro estavam "acondicionados" devidamente e de acordo com a "morfologia do terreno"?

:)))

Beijinhos, Ana

Ana disse...

Maria:
Pelo que li, as meninas, de 16 e 19 anos, foram barradas numa operação STOP. Em vez de pararem, atiraram o carro para cima dos agentes (aqui, a imaginação foi zero).
Os polícias perseguiram-nas e detiveram-nas. Seguiu-se a "revista" que se revelou inusitada:))
Vê lá como esta juventude demonstra tal nível de elasticidade "mental"...
Quanto ao acondicionamento, eram folhas de plástico.
Não vinham descritas as justificações que apresentaram mas bem podiam ser as que eu aponto.
Nos dias que correm...

Vivendo e aprendendo, não é?

Beijinho

MARTHA THORMAN VON MADERS disse...

Vim retribuir a visita.
Seu blog é muito inspirador, li devagar e prometo vir ainda hoje ler mais.
Você nos mostra o essencial, e o essencial não tem preço
beijos

Cris Caetano disse...

Eu sempre soube, aliás, minha avózinha me contava que se guardavam coisas nas algibeiras, agora... essa?!!!

O que se faz contra a bandidagem. Benza Deus!!!

poetaeusou . . . disse...

*
o que direi,
,
que o sol . . .
anda a encostar o expresso,
ao . . . 24 horas . . . ! ! !
,
mas ainda arrisco,
como se chamará
o detector da PSP ?
hehehe
,
conchinhas transparentes,
,
*

Ana disse...

Obrigada, Martha.

Beijinho

Ana disse...

Cris:
Aprende, aprende, que por essas bandas o caso ainda é mais sério:))
Mais ano menos ano, se as coisas persistirem em piorar, a natureza adapta-se, a nossa morfologia altera-se e ainda acabamos como uma espécie de marsupiais, hehehe.

Bom enredo para um filme de terror...

Beijinho

Ana disse...

Poetaeusou:
Essa de o Sol andar a encostar o Expresso ao 24 Horas é a maior verdade que disseste nos últimos meses:)))

O detector, eu sei mas não digo, hehehehe.
Os meus cabelos brancos (mesmo bem disfarçados) não o permitem...

Abraço

Inspector Serôdio disse...

Muito boa esta notícia.
Mas melhor ainda foi o título do 24Horas da semana passada, qualquer coisa do estilo «Vagina de Oiro».

Intrigado cogitei: prostituta de luxo (a sua vagina vale oiro)? uma vagina esculpida nesse precioso metal (com os petrodólares nunc se sabe)? reboscada metáfora para qualquer orifício em cuja introdução se gaste uma pipa de massa?
Nada disso, apenas o que ora esta aqui relatado!

E já agora, continue assim e estará a ser repescada para os já não muito longínquos tempos de antena da Gay Parade!!!

Ana disse...

Inspector Serôdio:
Passou-me ao lado essa do 24 Horas que sempre arranja grandes títulos para certas notícias:)

E penso que sei onde quer chegar relativamente à Gay Parade.
Falaram-me numa reportagem que, infelizmente, também não vi...

Abraço

daniel disse...

Ana

Li a notícia, que apenas gerou no meu pensamento: hummm, ao que isto está a chegar!... Esqueci!...
Agora a tua crítica, obriga-me a pensar, acho que pode muito bem merecer uma visão como a tua!
Resta dizer que gostei de me confrontar com este ponto de vista e sem mais palavras, refletirei!
Daniel

Ana disse...

Daniel:
Há uns anos, quando fui à Roménia, tive de me sujeitar, no aeroporto, a uma revista menos minuciosa do que a referida na notícia, mas em que me desfizeram o penteado (eu usava o cabelo apanhado no alto da cabeça...), à procura sei lá de quê...
Contrabando no meio do cabelo, só se fosssem munições de pequeno calibre, ou 1 cigarro, ou algum microfilme...
Hoje em dia está tudo muito mais sofisticado.
A imaginação não tem mesmo limites...

Abraço