domingo, 13 de dezembro de 2009

Cagica, meu Amigo, meu CARTEIRO, cúmplice de tantas horas de blogosfera,

Venho hoje aqui apenas para te dizer adeus, inconformadamente.
Foi como se a Vida te tivesse sustentado até teres escrito o teu último livro e, terminada essa missão, te tivesse deixado caír, de repente, sem contemplações.

Sem ti, a alegria de escrever não voltará a ser a mesma.
Mas, por ti, vou esforçar-me por regressar ao meu posto para cá deixar os meus protestos.
Confiando em que continues a lê-los como antes e possas até (quem sabe?) vir pousar uma mão etérea no meu ombro, sempre que me ocorra escrever "geito" em vez de "jeito".

Porque... lá está, meu querido Amigo:
Fazes-me muita, MUITA falta!

************************************

20 comentários:

Maria disse...

Gostava de ler os comentários do 'carteiro'. Parece que agora não vai comentar mais...
Deixo-te um abraço, sentido.
E saio em silêncio, devagarinho...

Duarte disse...

Como dói, e entristece, o silencio da ausência...

Abraço-te na dor

Pedro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pedro disse...

Ana


Não posso ocultar a satisfação de voltar a ler um post teu, o que não implica de modo algum que não reconheça a dor causada pela perda que sofres. Mas, como muito bem disseste, a melhor homenagem que podes prestar, é o regresso ao teu posto e assim manteres vivo aquilo que sempre manteve feliz o teu Carteiro e a todos nós.
Temos todo o tempo do mundo para esperar pela tua merecida recuperação e qualquer sinal de vida teu será uma recompensa.

Um abraço!

salvoconduto disse...

Um abraço Ana.

Ze_Cuscopos disse...

Cara Ana,

Eis o texto que eu não gostaria de ter lido e que, sei-o bem, a Ana gostaria de não ter escrito.

Tristeza imensa, saudade profunda e uma recordação que vai ficar para todo o sempre: a do sorriso fácil e da marotice na palavra, que o tornava verdeiramente num Rapaz inconfundível e adorável.

Que fica, permanece, em nossos corações e na nossa memória, por mérito próprio. Por nos ter agraciado a vida apenas por ser ele mesmo. Por nos fazer orgulhar de termos sido seus amigos!

Ainda não me mentalizei...

Cris Caetano disse...

Oi, minha amiga, deixo aqui um abraço e meu afeto pelo acontecido. Beijinho.

Ana disse...

Maria,

Nos últimos tempos ele arranjava uns pseudónimos mirabolantes para assinar os comentários.
E tinha um dom muito especial para os trocadilhos.

Foi uma partida imperdoável do destino.

Beijinho

Ana disse...

Caro Duarte,

Um grande abraço, registando a tua permanente solidariedade.

Ana disse...

Pedro,

Foi um bonito comentário o teu. Vou esperar pelo novo ano a ver se consigo retomar o que deixei suspenso.

Beijinho

Ana disse...

Um beijinho para ti, Salvo.

Ana disse...

Meu caro Zé,

Hoje sentimo-nos ambos como dois órfãos (ou três, pensando no Escriba) com dificuldade em acreditar na brutalidade do que aconteceu.

Nunca eu esperei escrever qualquer coisa parecida com isto.

Acho que conseguiu sintetizar em pouquíssimas palavras, o que ele era:
"Um Rapaz inconfundível e adorável".

Beijinho, Zé.

Ana disse...

Cris,

Gostaria eu que fosse bem diferente a razão de ter aqui voltado para postar.

Grata pelo carinho.
Até breve, espero...

Beijinho

poetaeusou . . . disse...

*
no lado misterioso da vida,
ELE, continuará a escrever ...
,

*
nas asas do vento
em desejos renovados
deixo,
vendavais de saúde
tempestades de amizade
marés de sereno carinho
e vagas de benquerenças
transportadas
no bico de uma gaivota .
,
maresias Natalícias,
ficam,
,
*

Ana disse...

Meu caro Poeta

Mensagem bonita a que deixas aqui nesta época natalícia.
A tua gaivota chegou cá, apesar do mau tempo.
Por ela te mando um beijinho desejando-te Feliz natal.

Luis Eme disse...

só agora li este "post".

ainda recordo com um sorriso nos lábios a tarde saborosa que passei no Largo de Cacilhas, a trocar histórias do jornalismo e da vida, com o Cagica Rapaz...

nunca o liguei ao Carteiro, embora o reconhecesse em outros comentários, por aí, devido ao seu preciosismo em relação à nossa língua portuguesa...

beijinho Ana

Luis Eme disse...

e passei completamente ao lado do blogue "Magra Carta", Ana (como passei durante algum tempo nas tuas "pedras", culpa vossa, que nem sequer me visitaram a contar a boa nova)...

que estive a ler agora mesmo, a deliciar-me com a sua ironia maneira de agarrar os "touros de frente"...

Ana disse...

Luis,

Lembro-me de ter lido no seu anterior blogue ("Sesimbra e Ventos"?) uma referência a esse encontro que recordas.

O nosso conhecimento resultou de grande insistência da sua parte para conhecer a autora duns escritos despretenciosos que lhe caíam no goto, vá lá saber-se porquê.
Simultâneamente, conheci outros dois excelentes bloggers. E a amizade que já existia entre eles, estendeu-se também a mim.
A minha grande mágoa é isso ter acontecido apenas há um ano.

Beijinho, Luis.

PS - Todos os comentários que aqui apareceram, assinados por pseudónimos em jeito de trocadilho, eram dele.

Duarte disse...

Veio o Natal, que já foi, trouxe o frio e deixou-nos muito branco, que se fez gelo, qual cristal; para petrificar a beleza da imagem tão bela, por ti elegida, à que agregaste um belo poema, e dos grandes desta terra... como TU!

Beijinhos de boa amizade e Feliz Ano Novo... espero e desejo que sim...

Ana disse...

Caro Duarte,

Que 2010 possa trazer-te a maior parte daquilo que desejas.

Beijinho